João 17: um convite à unidade do corpo de Cristo

Você já olhou para um prato de purê de batatas bem apetitoso? Que sensação ele despertou em você?

O purê de batatas é um prato comum entre os brasileiros. Ele faz parte do cardápio de crianças, adultos e idosos. Além disso, sua receita não é considerada difícil, o que facilita sua popularidade e sua presença em nosso cotidiano.

Essa conversa te deixou com fome?

Se sua resposta for sim, pode ficar tranquilo. Vamos parar por aqui.

O purê de batatas é uma comida simples, mas que traz uma lição sobre a unidade no Reino de Deus.

Purê de batatas e unidade da igreja: qual a relação?

Quando olhamos para o purê de batatas, é impossível identificar cada batata usada durante o seu preparo. Se não for assim, a sensação que ele deixa na boca é bastante desagradável.

Assim como no purê de batatas, a unidade no corpo de Cristo (Igreja) faz toda a diferença para impactarmos o mundo com o evangelho.

“Minha oração não é apenas por eles. Rogo também por aqueles que crerão em mim, por meio da mensagem deles, para que todos sejam um, Pai, como tu estás em mim e eu em ti. Que eles também estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste.” (João 17:20-21)

Deus deseja que os Seus filhos estejam unidos de tal forma que não seja possível identificar o João, a Maria, o Pedro ou qualquer outra pessoa.

A unidade da Igreja é resultado de um processo

Você já observou que existe uma grande diferença entre unir e juntar?

Juntar um grupo de coisas não significa transformá-las em algo inseparável. Por exemplo: quando fazemos uma salada, não importa quantos legumes e verduras serão usados, você conseguirá diferenciar cada um deles. Para fazer esse prato, você apenas reúne os ingredientes.

Por outro lado, para fazer um brigadeiro, é necessário aquecer o leite condensado, a manteiga e o chocolate numa panela. No final, eles se tornam uma massa única e homogênea. O resultado desse processo é a união dos ingredientes de tal forma que se tornam inseparáveis.

Durante sua jornada na terra, Jesus intercedeu pela unidade da Igreja. Ele sabia e queria nos ensinar sobre o poder da união. A Igreja primitiva entendeu isso e experimentou esse poder.

“Todos os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum. Vendendo suas propriedades e bens, distribuíam a cada um conforme a sua necessidade. Todos os dias, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração, louvando a Deus e tendo a simpatia de todo o povo. E o Senhor lhes acrescentava todos os dias os que iam sendo salvos.” (Atos 2:44-47)

Voltando ao purê de batatas, para começar a preparar esse prato, precisamos seguir algumas etapas:

1. Lavar;

2. Descascar;

3. Cozinhar;

4. Amassar.

1.    Lave as batatas

Depois de comprar as batatas para fazer o purê, é necessário lavá-las. Esse processo retira a terra, a poeira e outras sujeiras que estavam grudadas. A água limpa as batatas.

Espiritualmente falando, a água representa a Palavra de Deus e ser lavado é o mesmo que meditar na Palavra. Ela limpa o nosso coração dos pensamentos errados que a vida longe de Deus traz.

A Palavra precisa ser verdade no nosso coração. Esse é o caminho para fazer declarações efetivas de fé. Quando nossos lábios estão cheios de fé, não nos prendemos ao que sentimos ou achamos, mas ao que Deus diz.

“A boca fala do que está cheio o coração.” (Mateus 12:34)

Lavar as batatas é apenas o primeiro passo.

2.    Descasque as batatas

Se você já comeu um bom purê de batatas, viu que não havia nem um pedaço da casca no meio. Isso acontece porque, depois de lavadas, as batatas são descascadas.

No contexto espiritual, arrancar as cascas significa deixar no passado todas as dores da vida sem Cristo. Esse momento é essencial para o nosso amadurecimento porque transforma nosso caráter.

“Quanto à antiga maneira de viver, vocês foram ensinados a despir-se do velho homem, que se corrompe por desejos enganosos, a serem renovados no modo de pensar e a revestir-se do novo homem, criado para ser semelhante a Deus em justiça e em santidade provenientes da verdade.” (Efésios 4:22-24)

Uma vez que os velhos hábitos são deixados de lado e uma nova identidade começa a nos preencher, também construímos um relacionamento com Deus. É impossível viver com Deus sem dar atenção ao que Ele fala.

Quando Jesus nos salva, Ele nos arranca do mundo e nos lava de todas as dores.

3.    Cozinhe as batatas

O terceiro passo para fazer um purê de batatas é cozinhar as batatas. Para isso, é preciso colocar a panela no fogo.

No aspecto do natural, o fogo tira as impurezas mais profundas e amolece as batatas até que elas estejam no ponto de serem amassadas.

Biblicamente falando, o Espírito Santo representa o fogo que nos purifica e nos capacita. No Pentecostes, a manifestação do Espírito foi através de labaredas de fogo.

“Eu os batizo com água para arrependimento. Mas depois de mim vem alguém mais poderoso do que eu, tanto que não sou digno nem de levar as suas sandálias. Ele os batizará com o Espírito Santo e com fogo.”

(Mateus 3:11)

Assim como não dá para cozinhar as batatas sem usar o fogo, não podemos amar o outro ou exercer o fruto do Espírito (Gálatas 5:22-23) sem a presença do Espírito Santo.

O poder de Deus nos reveste e nos capacita a continuar a jornada.

4.    Amasse as batatas

Depois de lavadas, descascadas e cozidas, as batatas precisam ser amassadas. Apenas depois disso, elas se tornam uma única massa.

A partir de então, não conseguimos mais separar as batatas ou identificar cada uma que estava no início do preparo.

A vontade de Jesus é que sejamos um da mesma maneira que o purê.

Ser um significa agir com base na Palavra, ter o mesmo pensamento e olhar para o outro com as lentes da verdade. A unidade nos aperfeiçoa.

“Dei-lhes a glória que me deste, para que eles sejam um, assim como nós somos um: eu neles e tu em mim. Que eles sejam levados à plena unidade, para que o mundo saiba que tu me enviaste, e os amaste como igualmente me amaste.” (João 17:22-23)

Unidade: o segredo para contagiar o mundo com o amor de Cristo

Você já ouviu falar sobre a torre de Babel?

Essa história está registrada em Gênesis 11 e mostra que existe um poder irresistível na unidade.

“O Senhor desceu para ver a cidade e a torre que os homens estavam construindo. E disse o Senhor: “Eles são um só povo e falam uma só língua, e começaram a construir isso. Em breve nada poderá impedir o que planejam fazer.” (Gênesis 11:5-6)

A unidade da igreja não é automática. Ela é resultado da metanoia, ou seja, de uma mudança de mentalidade. Por isso, não despreze as etapas do processo de transformação que a Palavra opera em você.

A unidade da igreja primitiva conquistava os de fora e, ainda hoje, essa postura é fundamental para que as pessoas creiam na Palavra.

Ao final da preparação, não conseguimos separar as batatas do purê não importa o quanto tentamos. Da mesma forma, a unidade do corpo de Cristo não nos permite separar cada membro dele porque todos estão escondidos em Cristo.

“E ele designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres, com o fim de preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado,
até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo.” (Efésios 4:11-13)

Este texto é uma adaptação da mensagem do Pastor Wellington, da Academia da Fé. Clique aqui e escute a pregação completa.

Gostou do conteúdo? Compartilhe e abençoe a vida de alguém!

One thought on “João 17: um convite à unidade do corpo de Cristo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *